Como poupar dinheiro com a bicicleta
Entrar
Registo
Início
Bicicletas
Acessórios
Pacotes
Carrinho
Blog
Empresas
Sobre
Contactos
Blog
Test-Drive
Empresas
Sobre
Contactos

Como poupar dinheiro com a bicicleta

Trocar o carro pela bicicleta... Para muitos isso parece algo incrédulo e fora do alcance. Porém, outros já adotaram a bicicleta nas suas vidas quotidianas e já não querem outra coisa. Em Portugal, a bicicleta é maioritariamente utilizada de forma recreativa e não tanto como meio de transporte, mas sabia que utilizar a bicicleta como meio de transporte pode ter muitos benefícios, não só para a saúde, como também para a carteira? Aprenda aqui sobre até quanto é que você pode poupar se trocar o carro pela bicicleta, nem que seja apenas de vez em quando!

O primeiro grande gasto do carro (depois do valor de aquisição, obviamente) é o seu combustível. Se fizermos as contas, ao gastar entre 15€ e 25€ em combustível por semana, ao fim do ano vai gastar cerca de 780€ a 1300€. O que já dá para umas excelentes férias. Através de uma análise do mercado de seguros automóveis podemos calcular que, em média, em média, um adulto de 30 anos chega a pagar 200€ por ano, enquanto que, um jovem de 20 anos, paga 300€ de seguro automóvel por ano. Se somarmos tudo, os valores batem entre os 980€ e os 1600€ por ano, só em combustível e seguro.

Quanto toca a portagens, depende muito da zona onde vive. Se todos os dias tiver que passar a ponte 25 de Abril, por exemplo, os custos podem ser bastante altos. Todos os dias vai desembolsar uns meros 1,85€. Ao fim de um ano, tendo em conta que trabalha 48 semanas por ano e 5 vezes por semana, vai gastar cerca de 444€. Em relação aos custos de manutenção é difícil definir um valor para esta variável, mas estima-se que o valor médio gasto em manutenção durante a vida útil de um veículo é entre os 4000€ e 3000€. Assim, assumimos o valor médio de 3500€. Ao fim de 6 anos de utilização, vida média de um automóvel, iremos gastar 583€ por ano.

Com todos os valores calculados, podemos concluir que os gastos anuais de um carro podem variar entre os 1563€ e os 2627€, somente com os custos de utilização do veículo. Podemos dizer que ao fim de um ano tem o valor da sua bicicleta pago e ainda pode ir de férias. Valores idênticos são fornecidos pela LeasePlan. De acordo com os dados de Maio de 2018, 616€ por mês é o custo médio de ter um carro na Europa. Repartidos entre combustível, manutenção, impostos, seguros e amortização. Sendo que destes 616€, entre 202€ - 233€ são os custos de utilização diária. Ao fim de um ano isto dá um valor entre os 2424€ e os 2796€, um pouco mais do que concluímos.

Para além dos gastos diretos que poupa, ainda melhora a sua saúde e imunidade, o que lhe pode poupar algumas visitas ao médico. O pedalar diariamente torna-nos mais saudáveis ao perdermos peso, ao melhorarmos a nossa condição cardiovascular e ao prevenirmos doenças como os diabetes, a obesidade e a depressão. Muitos estudos comprovam que pedalar regularmente traz-nos muitos benefícios para a nossa vida, tanto vida pessoal como social, e que nos ajuda a sentirmo-nos melhor e mais felizes.

Uma comunidade com mais bicicletas ajuda também no desenvolvimento dos negócios locais. Se não formos dependentes do carro, começamos a deslocarmos mais perto do local onde trabalhamos ou vivemos. Assim, como as pessoas dependem mais da localização das lojas, existe uma necessidade de aproximar o comércio para os centros habitacionais. Ao desenvolver o pequeno estabelecimento, deixamos as grandes empresas internacionais um pouco de parte e desenvolvemos a economia interna do país. A população opta muito mais por lojas locais por ser de fácil acesso. O desenvolvimento interno das cidades é uma consequência da alta utilização da bicicleta por parte de países como a Holanda e a Dinamarca.

Todos nós devíamos experimentar trocar o carro pela bicicleta, nem que seja pelo menos uma vez por semana. É um estilo de vida que pode trazer muitas vantagens em termos financeiros e também de saúde. Cada vez mais há Portugueses que estão a adotar este novo estilo de vida, mas grande parte dos incentivos têm de passar pelas condições que são oferecidas. São necessários mais parques para estacionar a bicicleta e mais ciclovias para que a população seja motivada a pegar nas bicicletas.